ILC Brazil

Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in posts
Search in pages
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in posts
Search in pages

De acordo com Cleusa Ferri: ‘As demências são mais frequentes na população acima de 65 anos’

Demência em idosos

Na edição do 50MaisCBN do dia 28/09/2019, Alexandre Kalache e Débora Freitas conversaram com a psiquiatra e epidemiologista Cleusa Ferri. O objetivo foi esclarecer os cuidados e riscos provenientes das demências em idosos, como o Mal de Alzheimer. O mês de setembro foi dedicado à conscientização sobre a doença.

Alexandre Kalache aponta que estamos vivendo diversas epidemias que não imaginaríamos no passado, como a da solidão, da obesidade e das demências. Além disso, reitera a importância do projeto, que visa reforçar a capacidade de resposta a demência por parte dos países em desenvolvimento. Faz um alerta também ao risco que as demências representam a uma população que vem envelhecendo rapidamente em contato com outros fatores de risco.

Ao ser questionada sobre a importância de se debater o tema “demências em idosos”, Cleusa afirma: ‘É extremamente importante, ele tem sido discutido no mundo inteiro e tomando uma relevância cada vez maior. Não só nos países mais ricos, mas também nos países mais pobres, uma das razões obviamente é por causa do envelhecimento. A gente sabe que as demências são mais frequentes na população acima de 65 anos de idade. E portanto, os números têm a tendência, com o envelhecimento da população, de aumentarem bastante. No Brasil, a gente estima que tenha mais de 1,5 milhão de pessoas com demência, e esse número com o envelhecimento rápido que o Brasil está sofrendo, a tendência é que a gente tenha um número cada vez maior. As projeções possam dobrar a cada 20 anos. Então, é muito importante que a gente comece a prestar ou tome algum tipo de ação para que a gente possa atender as necessidades dessa população, que são diferentes das necessidades dos outros idosos. Claro que a gente tem que pensar no idoso de uma forma mais ampla, mas também ter um olhar específico para as pessoas e para os cuidadores das pessoas com demências.’

Confira a entrevista completa clicando aqui.

Para deixar algum comentário ou tirar uma dúvida clique aqui.